Pular para o conteúdo principal

The Office: "The List" S08E01



No início da 7ª temporada, quando o ator Steve Carrel deixou bem claro que aquela seria sua última temporada na série, os fãs de The Office não paravam de pensar na seguinte questão: 

The Office sobrevive sem Michael Scott? Durante sete temporadas, vimos Michael Scott fazer coisas como gerente que nos trouxe a crise de risos, situações constrangedoras e momentos que nos fizeram chorar de alegria. Ao contrário de Charlie Sheen, Steve Carrel teve uma saída digna da série e um final feliz para o personagem que não chega nem perto de ser clichê. Michael Scott (Carrel) teve várias decepções amorosas, mas na 7ª temporada, após escrever cartas e praticamente implorar para a CEO da Dunder Mifflin/Sabre trazer Holly Flax (Amy Ryan) de volta, ele conseguiu reconquistar o amor de sua vida, a pedindo em casamento. Eles decidiram morar juntos no estado do Colorado e Michael Scott teve o seu episódio de despedida (Goodbye Michael). Esse episódio rendeu para Carrel uma indicação ao Emmy de 2011 de Melhor Ator em Comédia, mas perdeu para Jim Parsons de The Big Bang Theory. E assim, começou a busca pelo novo Gerente Geral da Dunder Mifflin - Sabre de Scranton. O cargo foi ocupado do Deangelo Vickers (Will Ferrel) até que uma tabela de basquete caiu em cima dele, provocando um coma sério no personagem. Dwight Schrute (Rainn Wilson), após ser recomendado por Michael Scott, também assumiu o cargo por um episódio, até ser rebaixado por atirar com um revólver acidentalmente pelo escritório. O season finale da 7ª temporada (The Search Committe) teve as participações especiais de Will Arnett (Arrested Development), James Spader (Boston Legal), Ricky Gervais (o próprio David Brant da primeira versão de The Office), Ray Romano (Everybody Loves Raymond), Catherine Tate (Doctor Who) e ninguém menos do que Jim Carrey, sendo concluído com grande clímax de quem seria o novo chefe.

A 8ª temporada inicia com Robert Califórnia (James Spader) apresentado como o escolhido para o cargo de Gerente Geral da Dunder Mifflin/Sabre. Em seu primeiro dia como gerente, ele simplesmente vê os funcionários com antipatia, sai do escritório, dirige até a Flórida e convence sua chefe, Jo Bennet (Kathy Bates), a assumir o cargo de CEO da Dunder Mifflin/Sabre. Sim, ele convenceu sua chefe a ficar com o emprego dela. O que não faz muito sentido, considerando que Jo Bennet sempre teve uma postura forte na série, na figura da pessoa batalhadora que vence todas as dificuldades. O que me faz pensar que Kathy Bates teve seu personagem fora da série The Office para dedicar seu tempo a Harry's Law, série da qual é protagonista. Mas apesar disso, James Spader é um excelente ator, vencedor do Emmy de Melhor Ator Dramático por dois anos consecutivos pelo personagem Alan Shore de Boston Legal. Então os produtores de The Office conseguiram um novo chefe no mesmo nível da chefa interpretada por Kathy Bates.

O cargo de Gerente Geral continuou vago, então Robert Califórnia deu o emprego para Andy Bernard (Ed Helms), que demonstra uma fraca liderança e intimidado pelo novo CEO em um primeiro momento. Obviamente, Dwight demonstra mais uma vez sua frustração por não conseguir o cargo que tanto sonhava, tendo que se conformar pela milésima vez em ser o número 2 do chefe. Stanley Hudson tenta ser mais engraçado com seus colegas, ao contar piadas que terminem sempre da mesma forma (Ele mesmo admite que são estúpidas, mas é o que ele tem por enquanto). Pam e Jim terão um segundo filho. Angela se casou com o Deputado, que ela não sabe que é gay, e também está grávida.

Escrito e dirigido por B.J. Novak (que tem mais destaque na série como produtor, escritor e diretor, do que como ator) The List é sobre a natureza de Robert Califórnia, que ainda é um enigma para seus funcionários. Ele deixa seu caderno na recepção, que contém nomes em duas listas separadas. Todos lêem a lista e imaginam do que ela se trata. Com medo de perderem o emprego, alguns funcionários (Pam, principalmente) entram em pânico e ficam especulando sobre os grupos da lista. Robert convida um dos grupos para um almoço e diz que eles foram convidados porque são vencedores. Obviamente vemos Dwight e Kevin tirando sarro dos vencedores. E é nesse momento que Andy, que ficou de fora do almoço, defende seus funcionários e colegas de trabalho ao dizer a Robert porque eles não são perdedores, dizendo as qualidades e defeitos de um por um. Assim Andy faz jus ao cargo que lhe foi concedido. Esse episódio mostra o início de uma era na série. E sim, The Office sobrevive sem Michael Scott. Claro que Steve Carrel faz falta a série, mas o elenco de The Office é talentoso o bastante para que os fãs esperem até quinta a noite para assistirem um novo episódio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …