Pular para o conteúdo principal

Glee: "The Purple Piano Project" S03E01




Oi, pessoas, tudo bem? Eu sou Lorena e vou, a partir de agora, comentar Glee com vocês, leitores do Viciado em Série.

Não sei se foi porque estava assistindo a várias séries durante a Summer season, mas estava menos empolgada para começar a ver a 3ª temporada. Não me entendam errado, eu gosto bastante da série e não concordo com todas as pessoas do planeta que dizem que a única parte boa da série foi os 13 episódios da 1ª temporada. Gostei bastante da parte final e da 2ª temporada também, mesmo com as falhas no desenvolvimento dos personagens. Enfim, vamos comentar The Purple Piano Project, okay?

O episódio começou bem semelhante ao primeiro da temporada passada, com nos Jacob atualizando sobre as férias dos integrantes do coral. Rapidamente, somos apresentados aos seniors e juniors, ou seja, mais um ano para Artie e Tina. Mercedes também já revela o que aconteceu a Sam, justificando a saída de Chord Overstreet do show. O pai de Trouty Mouth conseguiu um emprego em outro estado e ela já tem outro namorado. Finn, como sempre, está perdido e não sabe o que fazer do futuro, o contrário de Rachel e Kurt, os quais já têm tudo planejado para quando se mudarem para Nova York, inclusive o casamento legal aos 30 anos do garoto.

Logo que foi mostrado o despertar de Will e Emma, imaginei que o tratamento dela já tinha resolvido o grande problema da moça. Na verdade, não foi o que aconteceu, como o professor admitiu para Sue. Já esta voltou com tudo. A trégua com o Glee, iniciada após o funeral da irmã, já foi esquecida, típico da treinadora, e agora ela está concorrendo ao congresso. E o que vai alavancar a candidatura da Coach Sylvester a ponto de fazê-la ultrapassar o estuprador que está na cadeia e brancos e indecisos? O fim aos programas de artes nos colégios públicos, até que os alunos consigam ler melhor ou a nível de alfabetização.

Como forma de atrair mais alunos para o clube, uma vez que Lauren largou Puck, Sam foi embora e Quinn estava meio que sumida, o professor decidiu espalhar pianos roxos pelo colégio e os componentes do clube teriam de cantar ao encontrar os instrumentos. É meio que óbvio que a estratégia não ia funcionar, né? Os meninos já fizeram dezenas de apresentações e ninguém nunca se interessou... O máximo que conseguiram dessa vez foi serem alvos de uma guerra de comida, ao cantarem We Got The Beat. Gostei do número, principalmente porque Santana e Brittany tiveram solos. Falando nelas, o que foi a cena em que tentaram convencer Quinn, a qual pintou os cabelos, colocou piercing e fez uma tatuagem de Ryan Seacrest, a voltar para as Cheerios? Nunca pensei que Satan fazia tanta questão de ter Quinn de volta, inclusive usando o argumento de tudo que fariam no ano, como dormir com Puck. Brittany, como sempre, hilária. Acho ótimo quando dão mais espaço às duas. Rachel também foi conversar com a garota, dizendo como sentia falta dela no clube e que ela deveria voltar. Acho que a Quinn ficou um pouco balançada, mas ainda não saiu da fase rebelde e do grupo das Skanks.

Rachel, minha personagem favorita, esteve ótima no episódio, principalmente porque não houve tantas cenas com Finn e, principalmente, porque meu casal favorito é constituído por ela e Kurt. Morri de rir quando foram procurar por Emma e esta comentou que era o último casal que faltava ser formado no Glee. A orientação e o sonho de irem para Nova York os levaram ao encontro para potenciais alunos da Academia de Artes Dramáticas de Nova York, o que rendeu uma das melhores cenas do episódio para mim. Lá vão os dois, todos cheios de si após cantarem Ding Dong The Witch Is Dead em ensaio, e dão de cara com um grupo bem preparado, que canta e dança bastante. Não assisti a The Glee Project, mas gostei da voz de Lindsay e creio que ela se saiu muito bem com a canção que dizia que ela pode fazer melhor tudo que você faz. Não preciso dizer que ambos saíram arrasados e acabaram chorando no carro. Adorei o discurso de Kurt para animar Rachel e espero que eles continuem aparecendo bastante juntos.

Nesse ínterim, uma candidata ao clube apareceu, a filha do homem que doou os pianos à escola. As expressões de Rachel ao ver surgir uma provável estrela e ao constatar que a menina era péssima foram ótimas. Gostei da adição de Sugar ao elenco, garota com Aspergers (dificuldade de interação social e falta de empatia) que fala o que bem entende. Nunca imaginei que Will faria isso, mas, com o objetivo de levar os garotos à vitória nas Nacionais, o professor rejeitou a garota. Will pareceu com bem mais atitude nesse episódio.

Sue, mais uma vez decide atrapalhar os planos do clube Glee, e designa as Cheerios, que agora conta com Santana e Becky como captãs (ótima cena das duas discutindo), para destruir os pianos. Só não entendi porque Quinn acabou ajudando, já que ela mesma questionou Britanna sobre a volta ao time de Sue.

Kurt, ao pressionar Blaine para deixar os Warblers, acabou conseguindo a transferência do namorado para o McKinley. Mas eu preferia o garoto com o uniforme, viu? Que roupinhas tristes as de Blaine... E a dancinha em It’s Not Unusual? Hahahahaha


Por fim, a fim de adquirirem mais experiência em palcos para se igualarem aos outros candidatos à faculdade, Rachel decide montar o espetáculo de West Side Story e Kurt se candidata à presidência da classe. Will então suspende Santana do Glee enquanto a garota não se torna fiel ao grupo, outra atitude inesperada por mim. Espero que não diminua a participação da garota, porque ela é ótima e rende várias cenas engraçadas. O episódio então termina com a apresentação de You Can’t Stop The Beat, minha favorita até então, em que os garotos são estimulados a continuar, apesar de tudo.

Eu gostei da volta de Glee. O episódio foi bonitinho, mostrou evolução dos personagens e me agradou. Não vou dizer que voltou à velha forma, porque, na minha opinião, Glee nunca foi ruim. Teve altos e baixos, situações inexplicadas, mas sempre me agradou. Com certeza vou continuar acompanhando até que Rachel Berry se vá.

Foi só impressão minha ou parece que eles estarão dançando mais nessa temporada? As apresentações tiveram sempre alguma coreografia, mínima que fosse. Espero que seja verdade, pois só o que falta para eles é montar um espetáculo, estilo do Vocal Adrenaline na época de Jesse.
Fiquem à vontade para comentar e espero que não tenha estragado minha primeira review. Até o próximo episódio!

Comentários

  1. Oiee! td bom? estava esperando mesmo uma review de Glee! Então, adorei a nova atitude do Will! Já estava na hora dele impor algumas coisas! Eu adoroooo demais a Santanna, mas ela estava precisando mesmo de um puxão de orelha e Will fez isso na hora certa! Vamos ver qual será a próxima atitude de Santanna.....
    Quinn...de princesa para rebelde! adorei essa transformação! Mas quero que explorem mais esse lado dela! Uns 3 episodios dela assim já é legal! Agora se ela voltar ao Glee Club no 2º episodio, nem adiantará de nada toda essa rebeldia! 
    Eu acho que quando ela jogou o cigarro no piano, foi um acidente...digamos que foi um "sem querer, querendo!" hehehehe
    Adoro as cenas de Rachel e Kurt! e quero ver mais vezes eles dois juntos! cantando, e principalmente um ajudando o outro! Eu assisti The Glee Project e fiquei muito feliz por ver a Lindsey logo de cara no 1º episodio! Achei que fosse demorar p ela aparecer! Mas, não vejo a hora de ver os outros ganhadores na série!
    O que aconteceu com o Finn? achei uma mudança drástica! de grande jogador e líder do Glee club a um zé ninguém? Desculpa, mas foi o que deu a entender esse primeiro episodio! Não cantou muito, não dançou (na ultima musica só tocou bateria), ta muito perdido e concorda com tudo o que a Rachel fala? Quero mais atitude do Finn nessa temporada, afinal ele está no último ano e tem q deixar um marca registrada no colégio!
    O resto do povo....continua maravilhoso! Sue má como sempre! Adoroooooooooo ela!
    Vou continuar vendo a série, LÓGICO! mas quero mais profundidade nas histórias de cada personagem! (Ryan Murphy, não esqueça do Finn, por favor!) rs
    Beijossss

    ResponderExcluir
  2. Tudo okay e com você? Pois é, a mudança do Will foi ótima. Sei que Santana merecia, mas gosto tanto dela... hahahaha
    Quinn rebelde deve durar um pouquinho. O melhor dessa trama é que agora vão dar algum destaque a ela, né? Porque na temporada passada ela só serviu para namorar Finn durante um curto período, isto é, ela foi muito mal aproveitada, inclusive a amizade com Mercedes. Está bom, vamos considerar com acidente... hahaha
    Li que outro dos ganhadores do The Glee Project vai aparecer logo no episódio 3. Espero que se saia bem também. É sempre bom o acréscimo de gente nova que traga algo interessante para a série.
    Para mim, Finn continua o mesmo banana de sempre. Até concordo que ele tinha mais moral no colégio, mas ele também sempre foi o mais perdido do Glee club.
    Se Ryan Murphy cumprir com o que prometeu, você vai ter o que quer, mais profundidade nas tramas.
    Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
  3. Eu não aguentava mais esperar pela volta de Glee e pra mim a série nunca foi ruim. Gostei muito do que vi nesse primeiro episódio da temporada principalmente eles cantarem músicas de musicais particularmente amo musicais. A única coisa que não gostei muito foi do Finn pois praticamente ele nem apareceu no episódio, não teve um enredo ficou perdido não parecia um personagem de destaque que é o que realmente ele é mas enfim gostei espero que continue assim pra melhor o restante da temporada.

    ResponderExcluir
  4. Que episódio! Que review! A muito tempo não me divertia tanto com Glee. A série mostrou que pode ainda muito mais e não precisa ficar escondida atrás de musicais. Quando vieram, serviu para dar concordância a trama.
    Os fatos mais divertidos foram mencionados muito bem por você. Todo os personagens estiveram bem, e concordo que Finn já está saturado. O que eu mais gosto dele hoje é dia é só quando toca bateria. Toca muito. No mais é muito chato.
    Lindsay (my love) apareceu logo de cara e com destaque! Amei, amei e amei. Que pena que só vai aparecer em dois episódios. Queria ela no elenco fixo.
    Triste com a saída de Lauren, gostava muito dela. Quando a saída de Sam, indiferente.
     Adorei a sua primeira review. Achei perfeita! Parabéns! Nada a acrescentar. Só concordar.
    Bjo Lorena

    ResponderExcluir
  5. Nem senti falta de Finn, para falar a verdade... Mas creio que, por ele não ter nada planejado, não saber o que vai fazer no futuro, isso ainda vai ser bastante abordado.
    Não conhecia as músicas que tocaram no episódio, mas agora já as canto o tempo todo! hahahah
    Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir
  6. Não sabia que você gostava de Glee. Também não sou muito fã de Finn e não gostava de Lauren, logo, se ela desaparecer, não vou nel ligar. Já Sam eu gostava mais... hahahaha
    Vai ver todos gostam da participação dos vencedores do The Glee Project e decidem prolongar a participação deles. Quem sabe, né?
    Muito obrigada por tudo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …