Pular para o conteúdo principal

Glee: "I am Unicorn' s03e02




O episódio “I am Unicorn” foi bem melhor que o anterior, não acham? E a razão dessa melhora foi a volta de Shelby. Ainda bem que a trouxeram de volta, já que, em minha opinião, faltava algo para terminar a trama da personagem na 1ª temporada.

O episódio foi bem focado em Kurt, o que não me agrada tanto, mas tudo bem. Começou com Brittany querendo ajudá-lo na campanha para presidente, por ele ser um unicórnio, alguém mágico que não tem medo de se mostrar ao mundo. Claro que as cenas mais engraçadas envolveram Brit, né? O melhor foi a capital de Ohio. Entretanto, Kurt não ficou tão satisfeito com os cartazes criados por ela, o que rendeu a única cena de Santana no episódio. Pelo menos a cena foi com Brittany, ou seja, bonitinha. Dessa forma, Kurt arranjou uma nova concorrente. Também quero ver o debate. Hehehe

Finalmente alguém percebeu que falta dança nas apresentações no Glee (aquele subir e descer da escadinha não conta), e Will resolveu prepará-los melhor com ensaios extras para os mais necessitados. Por isso, não será possível dirigir o musical West Side Story, tarefa delegada a Beiste, Emma e Artie. Tenho de abrir um parêntese aqui, que raio de figurino é esse que deram para Blaine? Os testes então são iniciados, em que Rachel tenta o papel de Maria; Kurt, o protagonista, Tony; e Blaine, que desistiu de Tony por o namorado não gostar da competição, tenta um coadjuvante. Mercedes também quer ser Maria, mas a audição dela ficou para o próximo episódio. As apresentações musicais de I am Unicorn foram todas durante as audições, logo apenas canções de musicais. Nada contra esse tipo de música, mas sinto falta daquelas mais populares, sabe? Praticamente não conheço musicais e tudo que Kurt canta parece igual.

Já que entrei nesse tema, em relação aos números musicais, meu preferido foi Somewhere, que, mais uma vez, uniu as vozes de Idina Menzel e Lea Michele. Não precisa falar mais nada, né? A apresentação de Kurt não foi ruim, ele fez algo diferente de balançar no fundo, mas concordo com os jurados que não dava para conseguir o papel de Tony (segundo características descritas por Beiste). Já Blaine foi bem também, mas nada tão especial. Esta última apresentação finalizou o episódio, deixando a pergunta de Artie sem resposta. Blaine aceita fazer o teste para o papel de Tony e competir com Kurt? Acredito que ele vai aceitar.


Agora o melhor do episódio: Shelby está de volta! Ela aceitou o emprego no McKinley para ensaiar um novo Glee club, totalmente patrocinado pelo pai de Sugar. Voltou a Lima para consertar seus erros, reaproximar-se da filha e inserir Puck e Quinn na vida de Beth. Em relação a Rachel, achei muito fácil. Bastou dar um palpite sobre a canção a ser cantada no teste para Maria e a garota já convidou a mãe até para cantar junto. O outro objetivo não deve ser tão fácil. Para deixar Quinn ver Beth, Shelby exigiu primeiro uma mudança de comportamento da garota. Foi o primeiro sermão que a ex-Cheerio ouviu no episódio. O segundo veio de Will e foi melhor ainda. Quinn precisa ouvir tudo isso mesmo. Mas não valeu de nada, uma vez que ela só voltou ao Glee e ao normal porque quer tomar Beth da mãe. Sobre isso, em um momento a garota diz a Puck que eles não foram feitos para serem pais e, depois, já quer o bebê de volta? Volúvel, não? Já o pai biológico de Beth tentou logo conseguir a aprovação de Shelby para ver a filha. A cena de Puck conhecendo o bebê foi bem bonitinha. O melhor de tudo isso é que Puck e Quinn têm uma trama e não vou só ficar de figurantes nessa temporada.

Quem recebeu pouca atenção mais uma vez foi Finn, que está trabalhando para Burt na oficina e não planeja muito mais para a vida. Mas acredito que isso vai ser mais desenvolvido nos episódios seguintes. Por fim, a campanha de Sue está indo perfeitamente bem, porém Will pretende se intrometer e encontrar um candidato forte para combatê-la.

Mais uma vez, gostei do episódio, principalmente porque estão dando mais atenção a personagens negligenciados (Mike e Mercedes também vão ser mais desenvolvidos) e por reintroduzirem uma trama não finalizada anteriormente. Contudo, quero mais músicas que não são de musicais e quero menos Kurt. Acho que já deu isso dele se aceitar. Não foi o que ele fez temporada passada? Creio que meu pedido vai ser atendido em Asian F, pelo menos em relação às músicas. Então é isso. Até o próximo episódio e fiquem à vontade para comentar.

Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O que chega em Agosto na Netflix

Trailer:

Títulos destacados do mês de agosto

Séries:

Atypical: Temporada 1: No auge dos seus 18 anos e com autismo, Sam embarca em uma jornada divertida e dolorosa de autodescoberta em busca de amor e independencia. Série original Netflix, estreia dia 11 de agosto.
Marvel - Os Defensores: Temporada 1: Assim como os Vingadores, estes quatro super-heróis da Marvel se unem para defender o planeta Terra e lutar contra o crime. Série original Netflix, estreia dia 18 de agosto.

Disjointed: Parte 1: Ruth (Kathy Bates) realizou seu sonho abrindo uma loja de cannabis medicinal, tudo de acordo com a lei. Agora, ela pode fumar um baseado quando bem entender - basicamente sempre. Série original Netflix, estreia dia 25 de agosto.

Wet Hot American Summer: Ten Years Later: Bem-vindos à reunião de 10 anos do acampamento Firewood! Estrelada pelo elenco original do filme cult e novos atores e atrizes, a série de 8 episódios mostra como está a turma do acampamento, dez anos depois. Série original Netflix, es…

TOP 5 Séries Melhores que Game of Thrones

— Vikings: "Gosto de Game of Thrones porque tem muita luta medieval, sangue..."

As lutas medievais de Vikings são muito mais intensas, extremamente constantes na série. A série também vem de uma adaptação, só que dá história da humanidade, quando exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas nórdicos invadiram, exploraram e colonizaram grandes áreas da Europa e das ilhas do Atlântico Norte a partir do final do século VIII. A série também é muito mais viciante, sem a morosidade de diálogos vistos na série da HBO.

— Banshee:  "Gosto de Game of Thrones porque tem muitas cenas de sexo e nudez"

As cenas de sexo de Banshee são extremamente mais explícitas. Nudez é cotidiano na série, inclusive nudez frontal. E a nudez de Banshee não são como em Game of Thrones, que praticamente mostra a nudez de prostitutas, personagens secundários. Em Banshee os atores principais estão nessas cenas. Banshee também ganha no quesito violência, sangue, ação, além de ter roteiro original.

— …

O Fim de Sons of Anarchy

"Papa's Goods" 7x13 [Series Finale] (Com spoilers)
Quando a morte é a última e única saída.
E Jax encontrou na morte a solução para tudo, mas Sons of Anarchy continuará viva, até em breve criarem um remake, ou até mesmo, continuar com a série, pois margem de sobra deixaram pra isso.
O fim de Sons of Anarchy tratou de mostrar o fim de Jax Teller, aquele se tornou protagonista da série, mas nem sempre foi assim. As primeiras temporadas eram comandadas por Clay, que revesava o papel principal com Jax, mas nem de longe as ações que ambos exerciam eram o mais importante da série.
Sons se destacou pelo conjunto de personagens e por ações em conjunto, alinhado às situações nada pacíficas da família Teller. Portanto, com o fim de Jax Teller, a série termina, mas, diferente da maioria das séries, o enredo sobreviveria "tranquilamente" sem Jax.
Ademais, a saída para "resolver" tudo foi a morte. Jax "morreu", mas foi para o "outro mundo" de a…

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.