Previously on The Killing




Após o 4º dia de investigação (4º episódio), onde achava que The Killing estava brilhante e prendendo a minha atenção, não consegui dizer o mesmo do 5º episódio. Foi duro de conseguir assistir, mas após duas tentativas (e algumas pescadas), consegui passar desse episódio, que acredito ser onde a maioria das pessoas resolveram largaram a série, devido ao seu excesso de morosidade. Mas descobri que The Killing é uma série de maratona, e quando assisti um após o outro, a série ficou bem mais agradável.

Pois bem. Retomei a série e após 6 episódios consecutivos, considero a série muito boa. É preciso entender o seu ritmo. Gostando ou não, a trama é desenvolvida linearmente e não tem como ser de forma diferente. Basta imaginarmos uma investigação na vida real. Não tem como reclamar que passamos 4 episódios baseados na trama do professor suspeito, pois isso é até pouco em se tratando de uma investigação dessas, pois passaram-se apenas 4 dias e a polícia não pode descartar nenhuma hipótese, principalmente numa situação onde o suspeito estava mentindo descaradamente. Acabou em uma cama de hospital com a cara toda deformada. Injusto é claro, mas ele procurou.

Claro que ainda não sabemos quem matou Rosie Larsem, mas após o 10º episódio, acredito que a polícia entrou definitivamente na direção certa. Reclamo apenas da maneira que conseguiram a informação dos passo de Rosie após ser deixada em casa pelo taxista. Por que diabos Belko iria esconder essa informação. Apenas para evitar que os donos da casa descobrissem que gostava de ser parte da família de vez em quando? Uma informação importante dessas não deveria estar sendo encoberta por um fato tão banal assim.

A parte política ficou bem interessante também. As brigas entre os candidatos e as artimanhas usadas, mostram como funciona a política de Seatle e possivelmente, toda política mundial. Os interesses vem sempre em primeiro lugar, mesmo que machuque diretamente uma família sofredora. O vereador/candidato Richmond mostrou que é o mocinho de toda essa história, mas eu não o descarto, porém é a minha última opção e caso apareça algo relevante e consistente que o relacione ao assassinato, seria sensacional, mas não acredito. Richmond é o típico político herói americano.


Faltam 3 episódios para o fim da temporada e ainda estamos a procura do assassino de Rosie Larsen, apesar de que muito assunto paralelo está envolvido. A luta pela prefeitura, o pai de Rosie (preso de forma merecida) envolvido em terrorismo, a vida pessoal de Sara indo por água abaixo, além de seu parceiro (ótimo ator), cujo considero enigmático.

The Killing engrenou nessa reta final e tem tudo para nos deixar satisfeitos com a sua resolução.

A série é boa, ok? (Se você conseguir passar do 5º episódio você engrena)

Obs: Diferente do Damon Lindelof, eu ainda não sei quem matou Rosie Larsen.
Tecnologia do Blogger.