Fringe: Balanço da 3ª Temporada


23 de Setembro de 2010 a 06 de Maio de 2011. Com quase 8 meses de duração, Fringe nos trouxe a cada episódio, a brilhante trama referente a batalha entre universos, além de resoluções de casos bizarros pela divisão Fringe de ambo.

A temporada foi composta de 22 episódios. Muitos relacionados diretamente a trama principal da temporada e outros nem tanto, mas não houve um sequer episódio que não tenha tido pelo menos uma pincelada nos assuntos relacionados a guerra entre os universos.

Particularmente gostei dos 22 episódios, mas claro que uns foram melhores do que os outros, e os episódios relacionados diretamente a trama da temporada, eram os meus favoritos, juntamente com os especiais, que basearam nos Observadores, Olívia, The Day We Died, Entrada e entre outros. Então sobraram poucos episódios que trataram de casos isolados, mas nunca irrelevantes. Como disse, tocavam pouco no que mais nos interessava, mas compensavam com uma brilhante trama, onde sempre tirávamos um ponto importante, onde guardávamos para assimilarmos mais adiante.


Não é novidade na série, mas a caça aos Observadores e os Glyphs Code são uma atração a parte, além dos posters com mensagens escondidas, sempre nos instigando a criar teorias, esquentando debates nas principais redes sociais, fazendo-nos realmente pensar. Essa palavra é simples mas importantíssima. É como se investigássemos com a série, pausando a cada cena e pesquisando a respeito, suas referências e seu significado. Pra quem gosta de pensar, Fringe é um prato cheio. (Não estou dizendo que quem não gosta da série, não pensa direito. Longe disso e espero que entendam).

Mas com toda a qualidade mencionada, Fringe esteve em apuros e quase foi para o ralo da FOX. A audiência começou baixa e só foi caindo. Chegou uma hora que a FOX resolveu trocar o dia de exibição da série. De quinta para Sexta, tradicionalmente como faz quando quer cancelar uma série. Mas acho que isso é uma das coisas que ajudaram a salvar a série, pois se não mudassem o dia e a audiência continuasse caindo, dificilmente renovariam, mas já na Sexta-Feira não são tão exigentes, devido já ser um horário praticamente "morto".

Claro que não gostei dessa mudança, mas o fim compensou. Fringe renovada para a 4ª temporada. Por essas e outras que não temos que reclamar da Fox. Recentemente cancelou séries de sua grade com mais audiência do que Fringe, sem falar na baita divulgação que a FOX promoveu, principalmente através de seus vídeos promocionais cinematográficos.

Outro ponto alto da temporada foi a brilhante atuação de John Noble. Sensacional. Digno de um Emmy fácil. É obrigatório no mínimo uma indicação ao prêmio. Além de interpretar Walter, fazia-nos esquecer que Walternativo era interpretado pelo mesmo ator. E no season finale, deu mais um show na versão Walter 15 anos mais velho.

Outra que também melhorou sistematicamente foi Anna Torv, que também interpretou 3 personagens diferentes. Olívia, BOlívia e de quebra, William Bell. Não sei se terá chances de ganhar um Emmy, mas pelo menos ser indicada, já será um grande prêmio pra ela e para nós.


Mas acho que Fringe tem que ter planejamento a longo prazo. Não dá pra ficar todo ano angustiado temendo o cancelamento da série. Têm que tomar Lost como exemplo e já decidir qual temporada irá terminar, para que não nos deixe na mão com mistérios pendentes e não resolvidos devido ao POSSÍVEL cancelamento. Mas diferente de Lost, Fringe luta contra a audiência e essa decisão não deve partir dos produtores e sim da FOX.

Então agora é esperar 4 meses para que Fringe retorne em sua nova temporada e nos explique muitos dos pontos em abertos deixados apenas para enlouquecermos. Peter nunca existiu? Como Assim??!!
Tecnologia do Blogger.